Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de Campo

Um blog que junta o entusiasmo pela fotografia com o fascínio pela Natureza. O objetivo é continuar a aprender através da observação e partilha.

Diário de Campo

Um blog que junta o entusiasmo pela fotografia com o fascínio pela Natureza. O objetivo é continuar a aprender através da observação e partilha.

Já a tinha avistado duas ou três vezes, só que parece ser uma ave consciente do seu encanto, que não dá tempo para se deixar fotografar em movimento ou repousada. O meu primeiro golpe de sorte aconteceu há duas semanas, durante a caminhada que fiz em Belver. O resultado final não é grande coisa, mas já é algo que posso mostrar. Segundo a Wikipédia, pode pesar entre 34 e 45 gramas, o que deve ajudar a (...)

O abelharuco

O passadiço de Alamal, na margem sul do Tejo, junto a Belver. Passei algumas vezes nos últimos meses de comboio pela região do Médio Tejo, e fui acalentando o desejo de percorrer os vários passadiços e caminhos que vão acompanhando o curso do rio. Em junho, aproveitei um sábado (ainda sem o excessivo calor dos últimos dias) para madrugar, apanhar um comboio e caminhar um pouco junto ao Tejo, entre Belver e Alvega-Ortiga. Comecei a caminhada em Belver, onde cheguei pouco depois (...)
Para fazer as coisas um pouco diferentes desta vez, dispenso a fotografia e começo com literatura: "– O plano é o seguinte: agora vamos até Gvozdevo. No pântano de Gvozdevo há narcejas por todos os lados e para lá de Gvozdevo há uns belos pântanos de galinholas, e também aparecem narcejas. (...) – Há pouco espaço para três. Eu fico aqui – disse Lévin, esperando que eles não encontrassem nada além de alguns abibes que os cães levantaram e que, oscilando no voo, (...)
09 Jan, 2022

A minha ave do ano

A águia-d'asa-redonda

Antes de mais, porquê escolher uma ave do ano? Porque não resisto a listas e o final do ano é a altura em que os listomaníacos como eu saem de debaixo das pedras... Nessa linha, eis um pequeno balanço do meu ano a observar e registar avistamentos de aves no inaturalist: 224 observações de aves no total, de 77 espécies diferentes;a ave mais observada, 20 vezes, foi a águia-d'asa-redonda;seguida da garça-real, com 15 (...)

O colhereiro

O colhereiro é outra ave cuja existência desconhecia até a avistar ao vivo e ficar admiradíssimo com o seu bico, em forma de colher, precisamente. O primeiro avistamento foi em julho, e mais recentemente em setembro e novembro, no estuário do Tejo. A fotografia acima é da semana passada, e foi tirada no observatório de aves da Lagoa Pequena. De todas as vezes que o vi em terra, o colhereiro usava o seu inusitado bico em forma de colher (ou espátula) para peneirar o fundo do rio e (...)

A garça-vermelha

Avistei-a em julho deste ano, a sobrevoar o Tejo, junto à Póvoa de Santa Iria, e reconheci imediatamente que não se tratava da "habitual" garça-real (muito embora uma garça-real tenha muito pouco de habitual ao nível da sua envergadura e beleza): mesmo a uma grande distância, era possível distinguir algumas manchas ruivas na sua plumagem cinzenta. Segundo o Aves de Portugal, trata-se de uma ave migradora, que (...)

A ave mais elegante da Área Metropolitana de Lisboa

O seu smoking branco e o bico recurvado tornam-na numa das aves mais elegantes e imediatamente reconhecíveis no estuário do Tejo. Avistei-a, pela primeira vez, em janeiro de 2020, no perímetro do EVOA (Vila Franca de Xira), e voltei agora a vê-la junto à zona ribeirinha da Póvoa de Santa Iria, que se tornou um dos meus locais preferidos para passear junto ao Tejo.  Segundo o inaturalist.org (...)
10 Nov, 2021

A Poupa

Uma das aves que mais queria fotografar em Lisboa

A fotografia já é de agosto, de um passeio feito ao final do dia por Monsanto. Estava de regresso a casa, cansado e algo frustrado por não ter avistado nada de interessante nesse passeio, quando reparei num pássaro diferente, pousado no fio de um poste de eletricidade, a uns 50 metros de distância. Diferente e inconfundível: a Poupa. Não tive muito tempo para reagir: consegui fazer menos de cinco disparos até voltar a desaparecer em voo. Segundo o Aves de Portugal (...)
Sinto que estou um pouco atrasado no registo por aqui de algumas das espécies que tenho avistado nos meus passeios, mas não podia avançar mais nas publicações sem antes falar desta águia-d'asa-redonda, que fotografei há umas semanas nos céus do Parque Florestal de Monsanto. Na realidade, eram duas águias, que pareciam estar a planar aos círculos sobre a floresta. Quando voavam mais alto, tornava-se quase impossível dar por elas à vista desarmada. Tive que aguardar alguns (...)