Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Diário de Campo

Um blog que junta o entusiasmo pela fotografia com o fascínio pela Natureza. O objetivo é continuar a aprender através da observação e partilha.

Diário de Campo

Um blog que junta o entusiasmo pela fotografia com o fascínio pela Natureza. O objetivo é continuar a aprender através da observação e partilha.

Um garajau-comum em pleno voo na Lagoa Azul, em São Miguel

É esta fotografia, feita em 2019, na Lagoa Azul, em São Miguel. Na altura, mesmo à distância, pareceu-me tratar-se de uma ave marinha diferente das que já tinha visto até aí, e como não soube identificá-la, tirei-lhe a fotografia acima, para servir de ponto de partida. Não era suposto, portanto, sair um registo para guardar. Só mais tarde, quando cheguei a casa, é que fiquei fascinado pela forma como a velocidade do obturador conseguiu, por uma coincidência milimétrica, fixar a ave em pleno voo.

O bico avermelhado comprido e o "barrete" na cabeça (uma pelugem que só adquire no verão, aparentemente, e a minha característica preferida desta ave) são os elementos mais distintivos que permitiram a identificação: um garajau-comum (Sterna hirundo). A mim, parece-me uma "fénix das águas", sobretudo à conta do desenho das asas quando está no ar, que lhe permite ganhar velocidade e mergulhar na água para apanhar pequenos peixes.

Segundo os guias, é uma ave marinha que pode ser avistada em toda a costa portuguesa, embora a maior população esteja nos Açores, onde costuma nidificar no verão. Como se não fosse já uma ave de voos impressionantes, ainda é capaz de atravessar o Atlântico, para invernar em costas mais quentes.

Que segredo pode uma flor de berma de estrada guardar?

Uma flor de malva ainda por abrir

A malva é tão ubíqua que não parece haver muito que se possa dizer sobre ela. No meu caminho para Monsanto, encontro-a muitas vezes à beira da estrada, onde não apetece realmente parar para observar os tons vivos e bonitos de violeta das suas flores. Mesmo assim, quando páro e reparo, o meu olhar fica sempre preso nos pequenos cones enrolados que algumas flores fazem antes de abrir. É de uma tensão e perfeição à pequena escala que impressiona. Na véspera de mais uma primavera, deixo aqui esta pequena homenagem à malva, e à beleza que a natureza nos reserva, mesmo numa berma de estrada.